Não Usar o Nome de Deus em Vão | O que Significa? Estudo Bíblico

Não Usar o Nome de Deus em Vão | O que Significa? Estudo Bíblico

O que significa não usar o nome de Deus em vão? O próprio texto dos dez mandamentos traz um versículo que proíbe tomar o nome de Deus em vão. Mas o que vem a ser isso? Será que não podemos falar o nome do Eterno?

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.
Êxodo 20:7

Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente ao que tomar o seu nome em vão.
Deuteronômio 5:11

Não usar o nome de Deus em vão

Examinando os textos bíblicos na língua original, em Hebraico, percebemos que até mais ou menos o tempo do exílio babilônico, era comum que os autores bíblicos usassem abertamente do nome do Eterno.

Eles escreviam o nome chamado por alguns de Yehová (a pronúncia mais provável para o tetragrama sagrado, segundo o pesquisador da Universidade Hebraica de Jerusalém, Nehemia Gordon).

Após o exílio, e com o surgimento do Judaísmo Farisaico (precursor do Judaísmo Rabínico), os rabinos passaram a ensinar aos Judeus que nem mesmo era permitido se pronunciar o nome do Eterno, criando vários substitutos para supostamente, não usar o nome de Deus em vão, violando o terceiro mandamento.

Filo de Alexandria no seu comentário sobre o Êxodo, deixou registrado essa cultura Judaica, que o alcançou, mesmo estando há milhares de quilômetros de Israel, pois ele vivia no Egito, como um Judeu Helenista:

A terceira lei, se refere ao nome de Deus. Não estou me referindo ao nome divino que ainda não chegou às suas criaturas…

pois o Seu Nome é impronunciável, mas sobre o Nome que as pessoas comumente atribuem a Ele (Adonai) Rediscovering Philo de Alexandria, Vol. II

Assim, os Judeus passaram a usar os nomes substitutos, Adonai, Hashem, Makom, Espírito Santo, Elokim, e etc. Interessante notar que o nome Espírito Santo é também um substituto para o nome divino, criado pelos Fariseus. A maioria absoluta dos Cristãos desconhece isso.

Fugindo um pouquinho do assunto, Espírito Santo é no original רוח הקודש Ruach HaKodesh, porque pelos Fariseus, não se podia mais pronunciar o nome רוח אלוהים Ruach Elohim, que significa “Espírito de Elohim (Deus)”.

Mas o que o terceiro mandamento proíbe realmente? Será mesmo que não podemos pronunciar o nome do Senhor? Temos que usar todos esses substitutos Farisaicos?

Não jurar em vão

Apesar dos dez mandamentos terem sido revelados no monte Sinai, e registrados no livro do Êxodo (Shemôt, em Hebraico), por todo o restante da Bíblia podemos encontrar versículos que esclarecem os seus significados.

Há uma revelação progressiva na Bíblia, nem tudo foi dado a conhecer em um único texto, nem mesmo em um único evento. A revelação da vontade divina vem se desenvolvendo ainda nos nossos dias.

Assim, no livro de Levítico, encontramos uma repetição mais detalhada dos mandamentos, seguida de novos estatutos, dados pelo próprio Senhor:

Não furtareis, nem mentireis, nem usareis de falsidade cada um com o seu próximo;

Nem jurareis falso pelo meu nome, pois profanarás o nome do teu Deus. Eu sou o Senhor.
Levítico 19:11,12

Como pudemos ver acima, nos versos de Levítico 19:11-12, faz-se referência ao Êxodo 20:7, explicando que não usar o nome de Deus em vão, é não jurar falsamente em nome do Eterno, para enganar o seu próximo.

Para prevenir os seus discípulos de cair nessa armadilha, de fazer uma promessa e não poder cumprir, Jesus lhes deu um bom ensinamento, que serve de cerca, pois protege o (des)cumprimento do terceiro mandamento:

Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus…

Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna.
Mateus 5:34-37

Foi justamente comentando o mandamento para não jurar falsamente em nome de Deus, que o Apóstolo Tiago (Jacó em Hebraico), escreveu na sua carta aos Cristãos do primeiro século, destacando o motivo:

Mas, sobretudo, meus irmãos, não jureis, nem pelo céu, nem pela terra, nem façais qualquer outro juramento; mas que a vossa palavra seja sim, sim, e não, não;

para que não caiais em condenação.
Tiago 5:12

Muitos outros Judeus de destaque, estudiosos e tradutores da Bíblia entendiam dessa forma o mandamento para não tomar o nome de Deus em vão:

O terceiro [mandamento] que nós não devemos jurar por Deus, de uma maneira falsa. Flávio Josefo – Antiguidades Judaicas, capítulo 5:5.

As traduções interpretadas para o Aramaico, o Targum Yonatan, e o Targum Neofiti, que refletem uma tradição da época dos Apóstolos, também concordam com a visão do Novo Testamento e de Josefo:

não deixe ninguém jurar pelo nome da palavra do Senhor em vão;

porque no dia do grande julgamento, o Senhor não irá tomar como inocente qualquer um que jurou pelo Seu nome em vão. Targum Pseudo Yonatan – Êxodo 20:7

ninguém de vós jurará em nome do Memra (a Palavra) do Senhor vosso Deus falsamente,

porque o Senhor não absolverá a sua culpa no dia do julgamento, de qualquer que jura em seu nome falsamente. Targum Neofiti, Êxodo 20:7

Não blasfemar o nome de Deus

Outro significado de não usar o nome de Deus em vão, seria “não blasfemar o nome de Deus”. O nome do Eterno deve sempre ser usado em contextos de elevação e adoração.

Não é que não possamos pronunciar o nome divino. Mas temos que ter o cuidado de santificar, exaltar, e engrandecê-lo, quando fazemos o uso do nome mais sublime do universo, da mesma forma como Jesus nos ensinou na oração do pai nosso:

Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;
Mateus 6:9

O Eterno também, complementando o mandamento para não tomar o nome do Senhor teu Deus em vão, esclareceu ao povo de Israel, por meio de Moisés:

E aos filhos de Israel falarás, dizendo: Qualquer que amaldiçoar o seu Deus, levará sobre si o seu pecado.
Levítico 24:15

E aquele que blasfemar o nome do Senhor, certamente morrerá;
Levítico 24:16

Veja que a blasfêmia contro o nome do Eterno, não tem perdão, e receberia a pena capital, no Israel do tempo bíblico. E como vimos que o nome do Senhor é substituído pelo nome Espírito Santo, podemos entender sobre a blasfêmia contra o Espírito Santo que Jesus se referiu:

E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado;

mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro.
Mateus 12:32

Os Fariseus acusavam Jesus de expulsar demônios por meio de belzebu, o chefe dos demônios. Mas o Mestre estava alertando que o que eles estavam fazendo, estava enquadrado no Êxodo 20, e Levítico 24:16, pois quem estava diante deles era o próprio Eterno.

Mas esse já é tema de um outro estudo bíblico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *